Datos personales

Minha foto
Isadora Lopes,paranaense,21 anos,estudante de jornalismo. Sou apaixonada por maquiagem,cosméticos em geral,música,leitura e Jesus,sempre.

Seguidores

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Eu e a chuva.


Quando eu tinha uns cinco ou seis anos,meus pais resolveram me colocar numa terapia infantil,onde por meio de brincadeiras e conversas descontraídas,eu iria superar meu maior medo: de chuva.
(E de vento também!)
Acontece que eu realmente fiquei muito tempo sem ter nenhum problema com a bendita chuva.
Mas esse último mês minha cidade teve uma ventania com ventos de 100 km/h. Tudo bem,a cidade ficou com alguns prejuízos,mas nada muito grave.
O problema pra mim,é que eu moro no quinto andar de um prédio. Ou seja,o barulho fica desesperador.
Eu levantei da minha cama pois sentia a parede balançar. Fui para o quarto da minha mãe,que tentava me acalmar,mas nada resolvia.
Comecei a orar,pedindo pra que a chuva parasse e que meu medo diminuísse. E Deus é perfeito e em menos de 5 minutos,a ventania tinha passado e apenas uns pingos caíam.

Estou fazendo esse post,porque nesse momento, um vento começa a passar pela minha janela. Nada muito forte,mas o suficiente pra eu ligar pro meu namorado,pra não pensar na chuva lá fora.
As pessoas não entendem. Na verdade nem eu entendo. Eu sei que só psicólogos e entendidos do assunto conseguem me dizer que esse medo é "normal".
Mas,quando eu estou no meio de uma chuva,ouvindo o vento,tudo o que eu sei é que me sinto uma criança de cinco anos novamente,que corre pro quarto dos pais e coloca o travisseiro no ouvido...

4 comentários:

Nathy disse...

isa, ta aí uma coisa que não tenho medo. Minha avó morre de medo. Nesse dia aí, eu acordei com a barulheira, mas nem liguei. Olhei se minha janela tava bem fechada e virei pra continuar dormindo, mas pensei comigo: "É jaja que minha avó entra aqui no quarto pra conferir a janela!" Mas até que ela não entrou não. Só ouvi os passinhos dela pela casa. Ela também é desesperada. O que me deu um friozinho na barriga, foi que eu senti o prédio balançar, mas tudo certo...kkk. Mas eu realmente entendo o seu medo, e embora não seja nenhuma psicóloga e nem sequer fiz psicologia, eu gosto de analisar esse tipo de coisa nas pessoas, e acredito que no seu caso deve ser algo de infância, com certeza. Eu acho engraçado, que quando eu era pequenininha e mudei para aquela casa de madeira, chovia muito, chuva de pedra e ficou marcado isso na minha memória e na verdade eu deveria ter medo de chuva, né?! Mas não! Meu trauma mesmo ficou de mudança...rsrs

mas é isso, Isa...relaxa que o ventinho já passou, pelo menos aqui...rsrsrs

Allan Ferreira disse...

Pode ligar a vontade!!!
Gosto de ajudar você a passar por esses momentos!!
Te amo minha bebê... e um dia espero e vou cuidar de você nesses momentos ao vivo!!!

Anna Clara disse...

Medo é algo que nos deixa meio bobos...Mas foi muita coragem da sua parte,divulgar seu medo. Os meus estão bem guardados e espero que continuem escondidos o máximo possível.
Minha mãe e minha avó também tem um medo incontrolável de chuva e vento. E como você disse, ninguém entende, e nós que somos da família, muitas vezes nos achamos no direito de criticar. Um erro.

Um abraço!
Sucesso!

Retribuições em:
http://falacomvontade.blogspot.com/

Sté ;) disse...

Olha...eu te entendo viu...tenho mt medo de chuvas fortes, com raios e tal. Quando to na rua e começa uma chuva assim tbm me sinto uma criancinha perdida xD
bjs